Viajar com crianças pode ser sensacional. É um momento interessante para se estreitar as relações, se aproximar mais dos filhos e também criar memórias e experiências que ficarão para sempre.

Viajar é uma das melhores coisas da vida, senão a melhor. E, claro, para aproveitar da melhor maneira possível tudo o que um destino turístico pode nos oferecer, temos que ficar atentos aos detalhes e programar muito bem a viagem, especialmente quando ela inclui a presença de crianças menores de 10 anos de idade.

Viajar em família, levando junto os filhos pequenos, longe de ser uma tarefa árdua e que limite os passeios e diversões, pode ser, na verdade, uma experiência bastante prazerosa, tanto para os pais como para os pequenos.

A primeira coisa a se fazer é escolher bem o destino. É muito comum que pais com filhos pequenos sempre escolham destinos turísticos mais tradicionais, como, por exemplo, hotéis fazenda ou resorts, pois nesses lugares as crianças sempre têm opções de entretenimento.

Todavia, não há necessidade de se limitar as opções de destinos turísticos só por se estar viajando com crianças. Basta fazer a escolha de um destino onde haja um mínimo de infraestrutura próxima.

O Grand Ville Hotel é um hotel muito receptivo para as crianças. Além de contar com diversas atividades infantis em sua infraestrutura como playground e Piscina, sua localização privilegiada é um grande diferencial, sendo próximo ao Parque das Águas e o do Center Kart, passeios que as crianças adoram!

Veja aqui 9 cuidados essenciais para viajar com crianças:

Arrumar as malas sem esquecer as roupas para calor e frio, preparar as comidinhas, os remédios, programar o melhor horário para dormir e enfrentar o voo com tranquilidade. Embarcar em uma viagem com crianças pode ser muito divertido e deixar boas lembranças, mas também se tornar um pesadelo caso os pais não tomem alguns cuidados.

O pessoal da momondo, buscador de passagens aéreas e reservas de hotéis, listou 20 dicas para ajudar a planejar a viagem com a moçadinha de todas as idades. Confira delas abaixo:

1 – Não exagere na mala

Um dos maiores erros dos pais, principalmente os de primeira viagem, é levar muita coisa. O cuidado com a bagagem deve ser acentuado já que as companhias aéreas cobram taxas para excesso de peso. No aeroporto, a bolsa de fraldas conta como mala de mão, mas assegure-se de que está carregando tudo: lenços umedecidos, chupetas, lanchinhos, muda de roupas, sacos plásticos (para fraldas e se alguma roupa sujar muito), fones de ouvido, brinquedos, baterias extras, tablet, etc.

2 – Segurança em primeiro lugar

Para as crianças mais ativas e que podem se perder, uma boa ideia é etiquetar os pertences com seu nome e telefone. Em muitos casos, também pode valer a pena investir em um rastreador GPS, colocado junto ao pulso ou à mochila da criança.

3 – As comidinhas do bebê

Diversos aeroportos permitem que leite materno e comida de bebê sejam transportados em vasilhas com mais de 100 ml. Os frascos são normalmente abertos para passar pela segurança, mas isso leva apenas alguns segundos e não contamina a comida. Portanto, vale a pena checar como é o procedimento no aeroporto em que vai embarcar.

4 – Pesquisar

Isso vale tanto para o antes quanto para o durante da viagem. Seu bebê precisa de visto? Que vacinas você e seu filho precisam? Você deve levar remédios (como comprimidos para malária, por exemplo)? Para as mães que estejam amamentando, vale a pena pesquisar se fazê-lo em público é algo comum no destino da viagem. Não deixe isso tudo para a última hora.

5 – Onde sentar com crianças pequenas?

Responder essa pergunta é algo, muitas vezes, definido pelo próprio design da aeronave: algumas possuem máscaras de oxigênio extras sobre determinados assentos. Mas nem todos os aviões são assim, portanto vale checar com a companhia aérea, e pensar com calma qual o melhor assento pra você. Uma dica geral é que sentar bem no fundo da aeronave geralmente significa atrapalhar o menor número de pessoas. Também garante a proximidade da galeria e do banheiro. No entanto, esses assentos podem não reclinar completamente, além de ter mais barulho do que outras partes do avião.

7 – Faça uma ‘viagem teste’

Os aeroportos, por serem muito grandes e barulhentos, podem ser um susto e incomodar algumas crianças logo de início. Portanto, deixá-la preparada para aquele ambiente pode facilitar o “dia D”. “Praticar” em um voo menor, para um local próximo e apresentá-lo àquele novo mundo em preparação a uma viagem mais longa pode ser uma boa ideia.

8 – Sem correria desnecessária

Deixe algumas horas de sobra –se você chegar cedo ao aeroporto, use esse tempo para brincar e dar uma leve canseira nas crianças. Afinal, quanto mais energia elas gastarem, menos elas terão durante o voo.

9 – O que pode dar errado?

Antes de ir, faça uma lista de tudo que pode dar errado –de contratempos no avião a um voo perdido, e pense como você lidaria com isso. Pensar em situações antes que elas ocorram deixarão você mentalmente preparado para o caso do “vai que…”.

10 – Explique a viagem

Se seu filho não está acostumado a voar ou a viajar em geral, então vale a pena conversar com ele sobre isso. Explique o que e quando tudo vai acontecer, como os cuidados com o cinto de segurança, por exemplo.